Notícias comuns de Itirapina


É incrível como, mesmo após tentativas e mais tentativas, as mesmas coisas continuam acontecendo. É algo de rotina, um círculo vicioso que toma conta dos destaques de fins de semana da cidade.

Itirapina possui duas penitenciárias (até aqui nenhuma novidade), mas o potencial para que sejam divulgadas, semana após semana, as mesmas ocorrências é algo extraordinário. É bizarro saber que, mesmo sabendo que não vai dar certo, as pessoas insistem nos mesmos erros.

Somente em janeiro, mês que ainda nem terminou, já houveram ao menos 4 detenções de mulheres tentando entrar em alguma das penitenciárias com drogas escondidas.

Durante um mesmo fim de semana, dos dias 6 e 7, ao menos duas foram detidas. Enquanto uma jovem mulher de 24 anos carregava 78 gramas de maconha e 46 gramas de cocaína, a outra, de 36 anos, carregava consigo 82 gramas de maconha e 25 gramas de cocaína. Suas visitas poderiam render um bom reencontro com alguém que gostam, mas o que ganharam de verdade foi apenas dor de cabeça, afinal, o que é mais constrangedor que serem pegas carregando coisas nas partes íntimas?

Em plena quinta-feira (11), uma mulher foi presa com 131 gramas de maconha e 40 gramas de cocaína. Esta não conseguiu esperar nem mesmo o fim de semana e foi pega ainda antes, mas também tentando entrar em uma das penitenciárias de Itirapina. Esta, ao menos, foi flagrada durante a revista de alimentos e material de higiene pessoal, e o material estava escondido em quatro barras de sabão juntamente com dois invólucros de cocaína. Valeu a tentativa? Acho que não.

No domingo (14), foi a vez de outra mocinha, desta vez, carregando 90 gramas de maconha e 24 gramas de cocaína. Com apenas 21 anos de idade, foi detida pelos agentes de segurança ao tentar passar pelo body scanner. Coisas suspeitas foram detectadas nas partes que só nós podemos mexer e mais uma pessoa detida.

Sempre caem no mesmo erro de tentar passar com drogas para dentro das penitenciárias. Parece que, com a divulgação a cada semana de mais casos, está faltando um pouco de criatividade para conseguir este feito, ao menos em Itirapina. Entretanto, não é 100% das vezes que são pegas, pois sabe-se que sempre há casos de apreensões, dentro das penitenciárias, de drogas, aparelhos celulares, entre outras, coisas que passam com certa taxa de sucesso e que acompanhamos sem nenhuma surpresa pelos noticiários de TV.

Todas as mulheres foram em busca de seus companheiros e tentar a sorte de alguma maneira, mas acabaram deixando as drogas e, também, a dignidade na portaria.

[Imagens por Folha, G1 e SAP]