Macarronha? Chupetonha?


Imagine, você, comer macarrão e ficar doidão. Imaginou? Pois, então, isto poderia muito bem ter acontecido neste fim de semana ao comer aquela macarronada.

Neste último domingo (2), uma mulher teve a genial ideia de fazer um almoço diferenciado para levar para seu marido preso. “Ele vai ficar muito feliz!” pode ter pensado ela.

E realmente teria ficado, mas apenas se o alimento tivesse passado para dentro da Penitenciária I de Itirapina. Acontece que durante a revista de alimentos algum agente deve ter pensado “o macarrão parece que está bom, mas o tempero tem um cheiro diferente.” E não foi por menos. Havia, ali, dentro daquele macarrão mesmo, uma quantia de 16 gramas de maconha.

É, não foi dessa vez.

Delicioso macarrão de maconha.

AINDA EM ITIRAPINA

Em outro caso, que ocorreu neste sábado (1), uma mulher, que carregava drogas em suas partes íntimas (vaginha) não conseguiu retirar. Após ser detectado pelo body scanner da Penitenciária II, a dificuldade de tirar de lá foi tanta que tiveram que levá-la ao hospital. Não a toa, havia 100 gramas de cocaína introduzidas lá.

NA REGIÃO

Chupeta com recheio de maconha.

A criatividade está sendo tanta que tentaram esconder maconha até na chupeta de um bebê. Isso foi em Potim, no interior de São Paulo.

Já que levar drogas na vaginha, no macarrão ou, também, nos cabelos e calcinha não funciona, tentaram levar na chupeta mesmo, ou melhor, em duas. Isto aconteceu neste sábado (1) também e após o flagrante, a mulher, de 29 anos, teve o nome suspenso do rol de visitas.

Fim de semana movimentado nas penitenciárias, ein?

[Fontes: G1 (macarrão)/G1 (chupeta). Fotos: Divulgação/SAP. Imagem de capa por Elli O.]