Itirapina se beneficiará com o PNL (plano nacional de logística)?


O governo lançou o Plano Nacional de Logística, que tem como intenção a melhoria da infraestrutura de transportes dos mais diferentes modais existentes no país.

Com este plano, que prevê investimentos na ordem de R$ 132 bilhões em logística até 2025, o governo quer melhorar toda a infraestrutura existente para os transportes que são realizados no país, sejam eles por terra, ar ou mar.

Pretende-se desafogar o setor de transporte de cargas das rodovias, que responde à 65% do transporte de cargas pelo Brasil, ainda mais tendo em vista que depender demais de uma única modal de transportes pode ser bastante negativo, como na última greve dos caminhoneiros em que o prejuízo pôde chegar ao valor de R$ 26,3 bilhões. Para não ficar nas mãos de apenas uma categoria de transportes, que depende muito do valor de combustíveis e da remuneração pelo frete, o grupo ferroviário deve ser um dos maiores beneficiários com este plano.

Segundo Ronaldo Fonseca, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, em entrevista à Folha: “É um plano que define gargalos dos modais brasileiros e traz soluções para o Brasil avançar, principalmente nas ferrovias, para em sete anos, ultrapassarmos o transporte nas rodovias em 100%”. Assim, define que as principais obras e melhorias devem se concentrar nas áreas que possuem maiores dificuldades para escoamento, que podemos chamar de gargalos no tráfego de cargas.

Considerando esta declaração e nossa postagem anterior, de que o trecho entre Itirapina à Santos é um dos grandes gargalos de escoamento de cargas ferroviárias, muito provavelmente Itirapina terá um papel importante depois que todos os investimentos estiverem concretamente saindo dos papéis.

Então, qual o papel de Itirapina neste plano de investimentos?

A ‘Empresa de Planejamento e Logística’ (EPL) gerou um diagnóstico da situação logística do país, o qual utilizou seus bancos de dados para prever quais seriam os investimentos necessários para otimizar a infraestrutura até o ano de 2025. Considerando que o plano é identificar pontos de estrangulamento e propor soluções para a melhoria da infraestrutura, de alguma forma, isto deve compreender todos os trechos dos corredores ferroviários do país, incluindo os trechos que passam pela cidade de Itirapina.

Levando em conta que as cidades não podem parar, a EPL e o Ministério das Cidades firmaram um acordo para a ‘Política Nacional de Mobilidade Urbana’, o qual, o secretário de Mobilidade Urbana, Inácio de Morais, afirmou que as informações poderão ser utilizadas para que o Governo Federal, estados e municípios apliquem recursos onde houver necessidade.

Sabemos que existe a demanda por recursos para serem aplicados justamente nesta área, que contempla a mobilidade urbana de nossa cidade, justamente onde a ferrovia a corta. Mas não podemos nos iludir que os recursos irão cair do céu para que melhorias sejam realizadas por aqui. Muito provavelmente isto estará nas mãos do poder público municipal e do estado, que deverão apontar os locais que deverão passar por melhorias para que, então, isto faça parte do planejamento geral do PNL.

O que podemos adiantar é que com a prioridade em aumentar o transporte de cargas através das ferrovias, em Itirapina que já possui uma média de 19 composições atravessando a cidade todos os dias, deverá aumentar ainda mais e tornará ainda mais caótica a situação para os moradores.

Provavelmente Itirapina entrará neste plano de alguma maneira, mas devemos ficar atentos e cobrar todas as esferas do poder público para que essa expansão das ferrovias não interfira ainda mais no andamento da cidade.

[Fontes: ‘Transportes.gov.br‘, ‘Folha‘ e ‘EPL‘]

[Foto por Dmitrii Vaccinium]