Haverá duplicação da linha férrea em Itirapina?


De acordo com um relatório elaborado pela ALL (página 64), em 2010, houve um incremento considerável no transporte de cargas através das ferrovias de acordo com tempo, fazendo com que a rota de Itirapina até Santos se tornasse um verdadeiro gargalo para o escoamento de produtos.

Ainda segundo o relatório, isso se deve a falta de investimentos em infraestrutura para atender o crescente volume de cargas na área do porto de Santos. É mencionado, também, que, por Itirapina, passavam 572 composições por mês, o que nos dá uma média de 19 trens por dia. (considere isto uma estimativa de 2010).

O relatório, acima mencionado, foi concluído em 2010 e justificava o pedido de análise e autorização para a duplicação dos trechos até Santos, visando a diminuição do gargalo do escoamento da produção agrícola, como açúcar, soja e outros tipos de carga.

O projeto esbarrou em licenças ambientais e na realização de contrapartidas por parte do empreendimento, para que assim as licenças de duplicação fossem concedidas. Entretanto, uma reportagem de “O Liberal” indicou que algumas obras já irão começar. Tais obras de contrapartida seriam executadas acordadas com os municípios, já quando o empreendimento estivesse em execução.

Em Itirapina havia um certo reboliço de que a tal duplicação pudesse causar ainda mais problemas, considerando que temos um entroncamento de ferrovias que passa pelo meio da cidade. Mas não ocorrerá.

Itirapina não deve se desesperar. A duplicação prevista se estende de Itirapina até Perequê e mais adiante até Santos, de modo que, em Itirapina, ela será realizada a partir da estação já existente com seguindo à Santos. Ou seja, em nada impactará a população urbana.

Portanto, não haverá duplicação da ferrovia onde ela já é conflituosa com a cidade. Mas, os problemas que já temos, estes, sim, irão continuar.