Enquanto você está de olho na Copa…


No Brasil as coisas acontecem assim: enquanto o povo mantém os olhos vidrados na televisão, entretido com os jogos da Copa, na câmara dos deputados acontecem as trambicagens.

Talvez devêssemos ficar de olhos mais abertos sobre o que está ocorrendo por aqui.

Contra a Saúde do povo

Nossa bancada ruralista, representado pelos maiores empresários donos de terras produtoras de grãos e também donos das maiores quantidades de cabeças de gado do Brasil, e que se dizem serem a favor do desenvolvimento de nosso país, estão fazendo um lobby fortíssimo para que seja aprovado a “PL do veneno” (como ficou conhecida).

O lobby nada mais é que o patrocínio da campanha política de certos deputados durante a época de eleições para que, depois de eleitos, aprovem as leis que beneficiem os grandes do agronegócio na câmara. Afinal, uma mão lava a outra, mas com agrotóxicos, nenhuma mão deverá ficar limpa.

Este projeto de lei (PL) prevê uma tolerância maior do uso dos agrotóxicos para uso nos campos, algo que vai contra a tendência mundial que é a de se utilizar cada vez menos, justamente por causa dos pontos negativos ocasionados pelo alto consumo e pela contaminação que os agrotóxicos causam.

Este PL, caso seja aprovada em congresso, permitirá que seja utilizado uma quantia até 5000 (CINCO MIL) vezes maior que o permitido por regras europeias de determinados agrotóxicos. E esta proibição na utilização, assim como as restrições dela possuem motivos mais que justos para isto acontecer fora daqui.

Entre os pontos negativos, está a contaminação das águas pelos agrotóxicos. O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, justamente pela larga utilização disto no cultivo de alimentos. E isto não é bom.

Sabe-se que a utilização desregulada dessas substâncias são extremamente prejudiciais à saúde, o que podem levar as pessoas a desenvolverem câncer e outras doenças derivadas disto. Não bastasse isto, as grandes empresas do ramo, os tais ruralistas, escondem informações importantes sobre isto, de maneira a esconder o problema que eles estão causando à saúde da população brasileira. Como exemplo, temos a Monsanto, empresa bastante presente no Brasil e também produtora de agrotóxicos, escondendo provas de que a utilização de agrotóxicos no cultivo de alimentos podem causam câncer.

Esta lei está para ser votada na surdina do povo brasileiro e tentam fazer isto antes que ocorram as eleições. Mas ainda vai piorar.

Contra a agricultura familiar

Produtos orgânicos são conhecidos por serem saudáveis justamente pela dispensa da utilização de produtos químicos. Este é um meio de se produzir alimentos dispensando agrotóxicos. Agrotóxicos são utilizados para controlar pragas que podem atacar plantações, controlar crescimento dos produtos que posteriormente serão transformados em alimentos, além de estimular o desenvolvimento disto de forma não natural.

Quando você come algum produto direto do pequeno produtor rural, as chances deles terem utilizado agrotóxicos na produção de seus alimentos é baixa, mas não é nula, entretanto, o controle mais rígido na produção geralmente fazem com que eles utilizem bem menos que em uma produção em larga escala, como os de grandes produtores. Sendo assim, comprar de pequenos produtores acaba sendo mais saudável.

Considerando que a “PL do veneno” quer liberar o aumento da quantia de agrotóxicos, agora querem dificultar a venda de produtos orgânicos também.

A ‘PL 4576/2016‘ (cuidado, PDF) aprovada na câmara, altera a Lei da Agricultura Orgânica, para “dispor sobre a comercialização direta aos consumidores de produtos orgânicos”. Isto quer dizer, agora, que fica delimitado que produtos orgânicos só poderão ser vendidos diretamente para o consumidor em feiras livres ou em propriedade particular.

Segundo o que justifica Edinho Bez, do MDB-SC, no próprio projeto de lei: “Em razão da maior complexidade do processo produtivo e da menor escala de produção, os produtos orgânicos ainda têm preços significativamente mais elevados que aqueles produzidos de forma convencional. Este fato, associado à preferência dos consumidores pelos produtos orgânicos, tem atraído comerciantes desonestos às feiras especializadas”.

Geralmente, a venda de produtos orgânicos no Brasil, é feito em supermercados, o que faz com que os produtores destes tipos de alimentos sejam restritos de venderem seus produtos por lá.

O texto tramita, agora, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Se aprovado, irá para votação definitiva em plenário.

[Fontes: ‘Sul21‘, ‘El Pais Brasil‘, ‘UOL Notícias‘, ‘G1‘, ‘contraosagrotoxicos.org‘, ‘Câmara dos Deputados‘, ‘eCicle‘ e ‘Diario do Litoral‘]

[Foto por Agência Brasil, Megan Hodges e Henry Be]